Conheça o estudo elaborado pela Cisco que mapeou e traçou tendências para a conectividade no país

Sem categoria 14 de setembro de 2018

A transformação digital terá um impacto significativo no futuro da internet. O avanço da rede mundial entre 2016 e 2021 foi mapeado no estudo Visual Networking Index (VNI), divulgado pela Cisco. De acordo com a pesquisa, nos próximos três anos, o número de pessoas conectadas chegará a 4,6 bilhões, ou 58% da população global.

Em conjunto ao estudo global, o Brasil foi mapeado de forma específica, com projeções relativas à quantidade de pessoas conectadas, o total de dados utilizados e a necessidade do aprimoramento constante da infraestrutura de rede.

Oito previsões sobre a internet no Brasil até 2021: mobilidade, vídeo e a presença massivas das coisas conectadas

  1. Haverá 180 milhões de usuários de Internet (83% da população), mais do que os 135 milhões (65% da população) registrados em 2016
  2. Existirão 734 milhões de dispositivos em rede, cerca de 3 por pessoa. Desse total, 47% serão conectados em dispositivos móveis
  3. Os módulos M2M serão responsáveis por 44% (321 milhões) de todos os dispositivos conectados
  4. Os PCs responderão por 5% (37,6 milhões) de todos os dispositivos em rede em 2021. O cenário aponta para uma queda anual composta de 10,5% frente a 2016, quando os computadores pessoas representavam 13% do total
  5. Os tablets representarão apenas 2% do total de dispositivos conectados
  6. Smartphones responderão por 27% (197 milhões) de todos os dispositivos em rede em 2021
  7. TVs conectadas serão responsáveis por 14% (102,8 milhões) de todos os dispositivos de rede em 2021
  8. Os smartphones consumirão, em média, 10,8 GB por mês; os tablets, 26 GB e os PCs, 40 GB por mês

O desafio da infraestrutura

Com a Internet cada vez mais presente em nossas vidas, relação de consumo de serviços em nuvem tende a se intensificar nos próximos anos, ampliando a nossa dependência das aplicações e dados processados e armazenados em cloud.

As empresas já descobriram as vantagens do conceito e as exploram em larga escala. De acordo com a versão 2018 do Cisco Global Cloud Index, 94% das cargas de trabalho corporativas estarão na nuvem até 2021. Na América Latina, o volume chega a 96%. A adoção cresce na proporção dos benefícios, uma vez que os recursos computacionais podem ser disponibilizados rapidamente, acelerando a inovação.

Apesar do visível amadurecimento vivenciado nos últimos anos, ainda há bastante espaço para otimizar a jornada para o modelo “as a service”. A necessidade de ajustes é especialmente verdadeira se imaginarmos um contexto de multicloud, tendência que ganha musculatura e passa a ser o novo normal para a grande maioria das empresas.

 

Sete tendências de data center e cloud

  1. Aumento da relevância dos data centers globais
  2. Contínuo crescimento da virtualização e cloud computing
  3. Modelos de serviços de cloud (laaS, PaaS, SaaS)
  4. Workloads e tráfego por tipo de aplicação
  5. Utilização e capacidade de storage
  6. Transformação digital – impacto do IoT
  7. Preparo para cloud: segurança e capacidade de rede

 

Clique aqui e confira os estudos completos (em inglês): E-book Cisco, Global Cloud Index (CGI) e Visual Networking Index (VNI)